Fundado a

21/06/2000

Objetivos de clube


“MELHORAR A RAÇA DE CÃES DOGUE ALEMÃO EM PORTUGAL, ENCORAJAR A CRIAÇÃO, CONTRIBUIR E DESENVOLVER A SUA PROMOÇÃO E UTILIZAÇÃO”

Como,

 

  • Publicar artigos que fundamentalmente tratem de assuntos cujo objetivo é dar a conhecer, difundir e apreciar a raça.
  • Apoio direto a criadores, e aficionadas da raça, membros do clube.
  • Conceder prémios aos melhores lotes de cria e exemplares expostos pelos sócios, nas diversas manifestações caninas patrocinadas pelo DACP, ou pelo Clube Português de Canicultura (CPC).
  • Organizar Exposições Nacionais Monográficas no quadro das Exposições Nacionais do CPC, e devidamente autorizadas por este organismo.
  • Registar em forma de listagem os machos reprodutores.
  • Publicar o Standard da Raça com tradução para o português, sempre que este sofra alterações emitidas pelo FCI.
  • Estabelecer e difundir comentários ao standard, extensíveis a juízes da raça.
  • Favorecer a relação entre sócios, ajudá-los e guiá-los na criação do Dogue Alemão.
  • Colaborar com o CPC para uma maior pureza e exatidão das inscrições no Livro Origens Português. Em geral, a aplicação de medidas técnicas que se considerem necessárias para favorecer a evolução da raça Dogue Alemão em Portugal.

Corpos Sociais para o triénio 2021/2024

Direcção

Presidente da Direção

Tiago Fernandes

Presidente

José Manuel Pacheco

Vice-Presidente

Ana Rosa

Tesoureiro

José Carlos Rodrigues

Secretário

Assembleia Geral

Ilda Gomes Rosa

Presidente

Cristina Alves

Vice-Presidente

Ricardo Quadros

Secretário

Concelho fiscal

Alípio Canaverde

Presidente

HENRIQUE OLIVEIRA SÁ

1º vogal

Cláudia Silva

2º Vogal

Estatutos do Dogue Alemão Clube de Portugal

Capitulo I – DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTO 

ARTIGO 1º 

A associação amadora, sem fins lucrativos, de natureza privada por tempo indeterminado com  a denominação “Dogue Alemão Clube de Portugal” abreviadamente designada por “D.A.C.P.”,  tem sede no Largo da Escola, nº. 4, 7005-760 São Miguel de Machede. 

ARTIGO 2º 

A associação tem por objetivo “melhorar a raça de cães Dogue Alemão em Portugal, encorajar  a criação, contribuir e desenvolver a sua promoção e utilização”. 

ARTIGO 3º 

Para alcançar os seus objetivos, o “DACP”, exercerá a sua atividade de acordo com os estatutos,  regras e diretivas do Clube Português de Canicultura (CPC)e empregará todos os meios que a  direção julgue necessários, dentro das normas vigentes e especialmente as seguintes: 

a) – Publicar artigos, folhetos e revistas que tratem fundamentalmente de assuntos que  deem a conhecer, apreciar e difundir melhor a raça; colaboração de técnicos e  especialistas reconhecidos; apoio direto a todos os sócios, criadores e aficionados da  raça. 

b) – Enviar, gratuitamente a todos os juízes nacionais da raça as publicações que efetue. c) – Formar e propor juízes competentes da raça Dogue Alemão, para serem habilitados  posteriormente pelo Clube Português de Canicultura. 

d) – Conceder prémios especiais aos melhores exemplares e lotes de cria expostos pelos  sócios nas diversas manifestações caninas, patrocinadas pelo DACP, pelo Clube  Português de Canicultura, ou pelos clubes afins. 

e) – Organizar exposições da raça “Dogue Alemão”, no quadro de exposições caninas de  todas as raças ou não, realizadas pelo Clube Português de Canicultura, ou então  devidamente autorizado por este. 

f) – Registar em forma de listagem os machos reprodutores. 

g) – Reconhecer o Livro de Origens Português como livro oficial de origens em Portugal, e  dos livros oficiais reconhecidos pela F.C.I. 

h) – Publicar, com tradução para o Português, o Standard oficial da raça, homologado pela  F.C.I. 

i) – Estabelecer e difundir comentários ao standard, extensíveis aos juízes da raça. j) – Favorecer a relação entre sócios, ajudá-los e guiá-los na criação. 

k) – Colaborar com o Clube Português de Canicultura para uma maior pureza e exatidão nas inscrições no L.O.P. 

l) – Em geral, aplicação de medidas técnicas que se considerem necessárias para favorecer  a evolução da raça “Dogue Alemão” em Portugal.

CAPITULO II – DOS ASSOCIADOS 

Artigo 4º 

1 – A “D.A.C.P.” tem a seguinte qualidade de associados: Fundadores; Efetivos; Beneméritos e  Honorários. 

2 – Pode ser associado efetivo qualquer indivíduo de maior idade e qualquer pessoa coletiva ou  equiparada, que poderão ser nacionais ou estrangeiros. No caso de pessoa coletiva ou  equiparada deverá designar uma pessoa física que a represente. 3 – Para ser admitido como associado efetivo deverá solicitá-lo por escrito à Direção, a qual  decidirá a sua admissão, e quando aceite, implicará a aceitação dos Estatutos. 

4 – São considerados também associados Efetivos todos os associados Fundadores. 5 – A Direção poderá nomear associados Honorários, isentos do pagamento de quotas anuais.  Os nomeados deverão ser pessoas que tenham prestado relevantes serviços à D.A.C.P. ou, que  se julgue, possam ser de utilidade excecional para os seus objetivos. Um associado Honorário  tem estatuto de consultor, mas não pode ser elegível ou eleitor. 

6 – Para adquirir a qualidade de associado Benemérito é necessário comprometer-se a uma  cotização fixada, no mínimo, em mais 50% do que a cotização de associado efetivo. 7 – Os menores também poderão ser associados, mas para tal, necessitarão de autorização, dada  por escrito, pelo pai ou encarregado de educação. Contudo não poderão participar nas  Assembleias Gerais, nem tomar parte da Direção até alcançar a maior idade. Não têm direito a  voto, nem são tidos em contagem necessária para solicitar Assembleia Geral Extraordinária. 

Artigo 5º 

1 – Pode ser retirada a qualidade de associado àqueles que, deixando de cumprir os seus deveres  estatutários, lesem gravemente o bom nome ou os interesses da Associação. 2 – Podem ser suspensos do exercício dos seus direitos os associados que faltem, por motivo não  justificado, ao cumprimento dos seus deveres sociais. 

3 – Das deliberações tomadas pela Direção no âmbito dos números anteriores, cabe recurso para  a Assembleia Geral, a interpor pelo interessado no prazo máximo de um mês após o seu  conhecimento. 

Artigo 6º 

1. – São direitos dos associados: 

a) Participar e votar nas assembleias gerais; 

b) Serem eleitos para os órgãos sociais; 

c) Participar, em geral, em todas as iniciativas da associação. 

2. – São deveres dos associados: 

a) Contribuir para a realização dos objetivos estatutários, de harmonia com as deliberações  dos órgãos sociais; 

b) Pagar as quotas fixadas; 

c) Respeitar e cumprir o Código de ética e de conduta do DACP.

Artigo 7º 

1 – O montante da quota é fixado anualmente pela direção para os sócios efetivos e  beneméritos, que vigorará para todos os novos associados admitidos até 30 de setembro de  cada ano. A partir de 1 de Outubro cada novo associado pagará a sua 1ª quota referente ao ano  seguinte. 

2 – O Pagamento da quota deverá ser feito até ao final do mês de Janeiro do ano a que se  respeitar. 

3 – A falta de pagamento da quota poderá implicar, por deliberação da direção, a exclusão do  associado. 

4 – Considera-se não paga a quota quando, requerido o seu pagamento, por carta registada com  aviso de receção, decorram 15 dias sem efetuá-la. 

5 – Os associados demissionários e excluídos, assim como os herdeiros dos associados falecidos,  estão constituídos no dever do pagamento de quotas em atraso, bem como das  correspondentes ao ano da demissão, exclusão ou morte. 

CAPITULO III – DA ORGANIZAÇÃO E DOS ORGÃOS SOCIAIS 

Artigo 8º 

São órgãos da Associação: A Assembleia Geral; A Direção; e o Conselho Fiscal, os quais são  eleitos por períodos de 3 anos podendo ser reeleitos. 

Artigo 9º 

Assembleia Geral 

1 – A Assembleia Geral é constituída por todos os associados efetivos e beneméritos, no gozo  dos seus direitos e que se tenham inscrito há pelo menos 6 meses, antes da data da sua  realização. 

2 – A Assembleia Geral reúne obrigatoriamente uma vez por ano, para aprovar o relatório da  Direção, as contas do exercício, o plano de atividades e para eleger os titulares dos órgãossociais  no caso de tal ser necessário. 

3 – A Assembleia Geral reúne extraordinariamente sempre que a respetiva convocação seja  solicitada pelo Presidente da Mesa, pela Direção, pelo Conselho Fiscal em matéria da sua  competência e sempre que um quarto dos associados o requeiram. 4 – a) A Assembleia Geral não pode deliberar em 1ª convocatória, sem a presença de metade,  pelo menos, dos seus associados; 

b) Salvo o disposto na alínea seguinte, as deliberações são tomadas por maioria absoluta de  votos dos associados presentes; 

c) As deliberações sobre alteração dos Estatutos exigem o voto favorável de três quartos do  número de todos os associados presentes. 

5 – A Assembleia Geral é convocada por meio de email, envio de correio eletrónico a cada um  dos associados e publicitada no site publicações do ministério da justiça,  em http://publicacoes.mj.pt, com antecedência de um mês, mediando entre a última divulgação  e a data da reunião da assembleia.

Artigo 10º 

A mesa da Assembleia Geral é constituída por um Presidente, um Vice Presidente e um  Secretário. 

Artigo 11º 

A cada associado corresponde um voto, sendo admitido o voto por representação conferido a  outro associado Efetivo ou Benemérito no caso das deliberações sobre dissolução da associação  prevista no Artigo 9º, nº4, c), cujo mandatário não poderá representar mais que dez associados. 

Artigo 12º 

Direção 

1 – A Direção é composta por um número ímpar de membros, no mínimo cinco, sendo um  presidente, que dispõe de voto de desempate, além do seu próprio voto, dois Vice-Presidentes, um Secretário e um Tesoureiro. 

2 – A Direção é um órgão de gestão e orientação da atividade da associação, deliberando por  maioria dos seus membros, competindo-lhe representar a associação em juízo e fora dele. 3 – Para obrigar e representar validamente a Associação é necessária a assinatura do Presidente  com a de qualquer outro membro ou a assinatura dos dois Vice-Presidentes conjuntamente com  a do Secretário ou a do Tesoureiro. 

Artigo 13º 

Conselho Fiscal 

O Conselho Fiscal é composto por um numero impar de membros num numero de três sendo  um deles o Presidente que dispõe de voto de desempate além do seu próprio voto. 

CAPITULO IV – DO PATRIMÓNIO 

Artigo 14º 

Constituem receitas da Associação: 

a) As quotas pagas pelos associados; 

b) Os subsídios, as doações as subvenções, as heranças e os legados que lhe sejam atribuídas; c) As receitas das atividades estatutariamente permitidas à associação, nomeadamente as  receitas de publicações e demais iniciativas previstas para prossecução dos seus objetivos. 

CAPITULO V – DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS 

Artigo 15º 

 

Nos casos omissos nestes estatutos, a associação rege-se pelas disposições legais aplicáveis, em  vigor.

Sócios

DACP – Proposta de Admissão de Sócio

ALGUMAS VANTAGENS DE SER MEMBRO DO CLUBE 

Participar ativamente no desenvolvimento da raça DOGUE ALEMÃO, segundo o padrão estabelecido pela Federação Cinológica Internacional (FCI)
Receber apoio no que respeita a:

  • Promoção de contactos com clubes e associações congéneres, criadores e proprietários de Dogues Alemães, quer a nível nacional como internacional.
  • Participar e aprender como se deve avaliar um Dogue Alemão através das explicações dadas pelo Juiz especialista da Raça ao mesmo tempo que julga na Monográfica.
  • Prestação auxílio técnico.
  • Acesso à revista informativa do Clube.
  • Divulgação de ninhadas e cruzamentos, de acordo com os critérios estabelecidos.

Se pretende ser sócio, envie-nos para o email geral@dacp.pt o formulário em baixo preenchido e assinado.

Quota anual € 30,00

Se o não conseguir abrir o ficheiro em cima

  1. Clique com o botão do lado direito do rato no botão
  2. Clique “Guardar Link como” e salve o ficheiro PDF no seu computador.

Se o não conseguir abrir o ficheiro em cima

  1. Deixe o dedo em cima do botão até aparecer um menu com opções
  2. Clique “Transferir Link” e salve o ficheiro PDF no seu dispositivo.
  3. Se tiver um alerta de segurança escolha “manter